22 agosto 2012

O modo de vida minimalista


Existem várias noções do que é o estilo de vida minimalista. Não tem nada a ver com o movimento de arte minimalista, não é viver com o minimo possível ao estilo homem das cavernas nem é uma nova forma de pobreza.

O modo de vida minimalista é viver com o essencial, com o que é realmente necessário, de forma a dar espaço e tempo para aquilo que nos é realmente importante na vida.


Como é óbvio, não é um modo de vida para todos. E existem várias formas de viver de forma minimalista, com alguns a faze-lo de forma mais radical, limitando-se a viver com 100 objectos ou 50 objectos. Esta não é a minha forma de abordar o minimalismo. Não me interesso por viver com o minimo, mas sim viver apenas com o essencial. Interessa-me uma vida menos regida pelo consumismo, pelas “coisas” e em troca, viver uma vida mais rica, com mais experiências, com mais tempo. Uma vida menos atafulhada de “coisas”, uma vida mais simples. A ideia não é perder qualidade de vida, mas sim ganhar qualidade de vida.

Sempre fui um pouco minimalista, mas como em tudo na vida, facilmente nos esquecemos do que é importante e caimos num ciclo. Talvez faça parte da nossa natureza. Trabalhar mais, para comprar mais, para no fim ter uma casa cheia de coisas que não queremos. Sonhamos em dar a volta ao mundo, mas passamos a vida a trabalhar para pagar aquela casa, aquele carro e aquela mobilia. Porque não vender o carro e dar a volta ao mundo? Porque não vender a mobilia e nunca mais perder um domingo a limpar os bibelós que nunca gostaste ? Porque não reduzir o estilo de vida, reduzir as despesas desnecessárias e mudar para aquele emprego que sempre quiseste mas que não paga tão bem ?

Há cerca de dois anos começei a levar um pouco mais a sério este modo de vida minimalista. Como já tinha dito anteriomente, a partir desse momento, tornou-se uma necessidade viver com menos. Mudei de carreira, mudei de vida, mudei de hábitos. Não foi fácil. Muitas dúvidas, muitas incertezas e muito medo.

Olhando agora para trás percebo que tudo valeu a pena.

Sem comentários:

Enviar um comentário